Sábado, 15 de Maio de 2004

Uma simples carta

A carta que te escrevo aqui e agora é o que "eu" sinto e penso da vida e não "serve"
para todos; não há respostas definitivas e únicas para todos nós; vivemos
num mundo de desafectos em vez de vivermos num de afectos; vivemos num mundo
onde o sentirmo-nos bem com a nossa própria identidade é já tão dificil que
usamos estas identidades "falsas" para podermos falar e ouvir.
Já nos falta a "coragem" de enfrentarmos os outros, de olharmos os olhos uns
dos outros e dizermos a quem estiver na nossa frente o que sentimos, o que
pensamos, o que queremos, o que temos, o que podemos ser e, principalmente, o
que podemos dar.

A vida já vai longa para mim e já vivi muito e quase tudo o que um homem
pode viver; passei de tudo um pouco e os anos foram-me tornando "duro" e um
pouco "sóbrio" perante as bebedeiras da vida.

A vida não é fácil e tudo o que a vida nos dá é pouco porque queremos
sempre mais e melhor; passamos a vida a lutar por um lugar ao sol e esquecemos
o quanto bom é refrescarmo-nos numa sombra.

Passamos o tempo a "querer", passamos o tempo a "desejar", passamos o tempo a
"ter", a "possuir", a "querer ter ainda mais". Esquecemo-nos de dar!

E, um dia, ficamos de mãos vazias e ficamos sem nada e lamentamos termos ficado
sem tudo o que haviamos tido; que desgraça enorme; perdi tudo; perdi os bens;
perdi a namorada; perdi os filhos; perdi a mulher; tanto amor perdido! Tudo o
que tinhamos se foi. E passamos a ser uns eternos infelizes!...

Errado!...

Nunca tivemos nada! Porque não somos donos de nada! Nada temos! Nada possuimos!
Nada é nosso!

Só dando é possivel ser feliz!
Desejar tudo de bom para o outro!
Querer que a mulher que pensava ter "perdido" esteja feliz agora (por exemplo ao
lado doutro grande amor) mesmo sem ser a meu lado!
Darmo-nos aos outros de todas as formas, de todas as maneiras.
Não pretender ser amados.
Amar somente.
A felicidade está em amar, tão somente em amar e sentir que amar é estar
feliz consigo mesmo.

Amar sem posse nem destino.
Amar incondicionalmente.

Não chorar sobretudo porque é preferivel sorrir e mesmo que por dentro a alma
se parta aos bocadinhos que nos reste um sorriso nos lábios para dar aos
outros.

Foi isso que aprendi ao fim de muitos anos.
Não fui, não sou nem quero ser dono do que quer que seja.
Quero olhar e desejar que todos estejam melhor do que eu.
Escolho o melhor para ti.
Ao fazer isto faço-o com alegria, com gosto e sou feliz!

É esta a resposta: não há caminhos para a felicidade; esta, é o caminho.
Não interessa que caminhos havemos de percorrer, o que interessa é caminhar
com a certeza de que "escolher" o melhor para o outro é a base do meu bem
estar. Sentir que com essa "escolha" eu estou a caminhar e não à procura do
caminho.

Estas palavras não "servem" para todos, eu sei.
Mas não sei outras.

Tudo o que possas ler nos meus escritos são uma mistura de
credulidade e de incredulidade; são uma mistura de fé e de raiva; são uma
mistura de sim e de não. Pela simples razão que precisamos dessa "balança"
para o nosso equilíbrio.

Mas, o cerne da questão está lá, nas entrelinhas e estas são as que acabo de
te escrever.

Não sei se era "isto" que querias ouvir, se era esta a "mão" que precisavas;
acredita que é a única que tenho e dei-te o que tinha: tempo, palavras, um
desejo firme de felicidade para ti...

para já, escolho para ti um sorriso.


indeterminado por quim às 10:59

link do post | indetermine | favorito
20 comentários:
De inde a 22 de Maio de 2004 às 18:22
Desde que possa haver juros desse depósito. *
De betania a 22 de Maio de 2004 às 17:50
Indeterminado, para mim...um "sorriso" é assim
como um totoloto...posso depositá-lo em qualquer
banco?
Beijinho
De inde a 19 de Maio de 2004 às 08:26
Amok: na verdade, estas tuas últimas palavras são de uma dureza extrema; porque as escreves? Que espada te enterrei no teu coração para que deixes de "falar" comigo? Sei que de ti não me vêm palavras melosas (isto é um elogio à tua forma de estar e não uma ofensa); agora, estas, palavras terminais não, não esperava. Mas nada posso contra a vontade de cada um. Apesar disso mantenho o que ali atrás disse: ama as minhas palavras como amo as tuas. *
De amok a 19 de Maio de 2004 às 00:24
...fica, então, em paz pq ñ deixarei ficar aqui mais nenhuma palavra minha(!)...
De inde a 16 de Maio de 2004 às 21:07
Na verdade, Cruz, esse amor não destrói. *
De inde a 16 de Maio de 2004 às 21:05
Nunca sabemos, pois não, Sei-lá? *
De inde a 16 de Maio de 2004 às 21:02
Amok: talvez, não vou elaborar aqui uma "tese" sobre o dúbio sentido das palavras e se as que eu "digo" são ou não a expressão dos actos que pratico; não vou também dizer se me destruiram ou não; também não vou esperar por palavras tuas em tom "meloso" como as que abundam (segundo dizes) por aí, não, não vou.
Apenas te peço que ames as minhas palavras como eu amo as tuas.
Só isso. *
De inde a 16 de Maio de 2004 às 20:58
As palavras, Aran, tanto são duras como suaves; dependem de como as dizemos ou de como as ouvimos. **
De cruz a 16 de Maio de 2004 às 19:21
As palavras têm os sentidos dos sentires das pessoas que as usam, não ? Eu partilho o sentido da dádiva expressa no texto "uma simples carta". O amor quando se sente incondicional,quer dizer sem condicionais , sem ses, mesmo quando não há o retorno quere-se o melhor para o outro , e o melhor é o que fizer feliz esse outro mesmo que não seja o que seria feliz para nós.A liberdade inerente ao amor não começa quando termina a do outro , mas a nossa cresce com a liberdade do outro, sejam quais forem os caminhos que esse outro percorra , diferentes e divergentes do nosso.. Não é este amor que destrói.
De sei l......... a 16 de Maio de 2004 às 18:01
estas "coisas" de palavras são muito "cumplicadas"!!! bué!!! eu entendo o que o Inde transmite "quem dá o que tem..." dá tudo!!! Não me parece NADA "melosa" a sua palavra, nem a arrogar-se seja do que for...não me parece... Entendo (parece-me apenas!) que o emprego do termo amor está sendo feito de modos diferentes por cada um de vós. Mas eu sei lá!!!!ando AINDA(e é muitoooo tempo!!!) a tentar aprender o AMOR - desprendido,universal,doado, sem "volta na ponta",descentrado de mim, alegre, magoado, sofrido, cantado...assim simples, humilde, grandioso...O Amor que nos permite encontrar o caminho, enfrentar as derrapagens,parar sem tempo (com todo o tempo!) para a dor ou a alegria de outro (e para as nossas!), para a morte e para a vida, para as grandes e pequeninas coisas/acontecimentos... o amor que perdoa sem que a gente tenha pensado perdoar; o amor sem palavras, o amor que perpassa...
Mas, como disse, estou AINDA a aprender!
"palavras melosas" ?!!! estas "coisas" de palavras são muito "cumplicadas"!!! bué!!!
Desejo de bom domingo!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.últimas indeterminações

. eu

. floresta

. Saudade

. Aniversário

. Amar como o vento

. Gostoso

. Solidão

. Gostos

. Não sou aquário de signo,...

. pormenor

.torres do tombo

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds