Domingo, 6 de Junho de 2004

Rendição



Há tempo, que tempos ,
Só o tempo saberá,
Rendi-me a ser corpo
E viajei nesta dádiva única
Com que nasci.
Assim me fui despindo
E descobrindo
E de tudo beleza colhi.
Entreguei-me ao amor ,
Sem condições das razões,
Razão porque estou aqui.
Olhei pontes não visíveis,
Vistas nos olhares do coração,
Entre tempos infindáveis,
Entre projectos individuais
E processos globais,
Entre desejos , sonhos,
Evoluções , mutilações,
Realizações e frustrações.
Todas as pontes onde andei
Me deixaram neste lugar,
Indefinido por indefinível.
Atlântida no nosso íntimo,
Onde o que aparenta não sentir
É serenidade de inclusão dos sentires,
Na organização
Da ausência de poderes.
Rendida a um tempo,
Pleno de invisíveis companheiros,
Que atravessa todos tempos relativos,
Onde acasos e necessidades não há
No bem querer viajar.
Em que os silêncios,
Entre o som dos ruídos,
Revelam que são perpétuos os sons
Das vozes
Na ausência do silêncio .
Em que na inconstância
Do que se olha
A única constância
É o movimento perpétuo
Da permanente inconstância.
Entre um tempo e todos os tempos
É eterna a ponte de todas as pontes.

(from: Eureka Cruz)
indeterminado por quim às 10:42

link do post | indetermine | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.últimas indeterminações

. eu

. floresta

. Saudade

. Aniversário

. Amar como o vento

. Gostoso

. Solidão

. Gostos

. Não sou aquário de signo,...

. pormenor

.torres do tombo

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds