Terça-feira, 2 de Março de 2004

Vem

Desespero na minha esperança
De te ver doce e acre no meu ser...
Desespero na minha esperança
De te ter bela e pura no meu coração...
De luzes brilhando na minha escuridão,
De perfumes banhada no meu mar,
De anseios tantos que já não sei contar...
Como te espero tanto! Porque não vens?
Porque não apareces na minha visão
De luzes brilhando num manto de solidão.
Porque não apareces na minha mente
De sedenta e nua do teu ventre
Como mãe surgida do nada do meu querer...
Porque não apareces na névoa quente
Do dia que passou ou do dia que virá?
Porquê ? Desespero na minha esperança
De te ver doce e acre no meu viver.
Vem até mim Ninfa, Sereia...
Todo eu, manto de plena areia,
Pronto a receber a alva espuma do teu espraiar...
Vem até mim Ninfa, Sereia de todo o meu mar !
Como te espero, como te quero...
Vem.
indeterminado por quim às 14:00

link do post | indetermine | favorito
|
16 comentários:
De inde a 12 de Março de 2004 às 08:46
E continuo à espera. *
De Ltus a 12 de Março de 2004 às 03:38
Mentiste-me quando me disseste que toda a poesia te tinha abandonado ... e ainda bem! ;-) Gosto de te ler ... não tenho palavras para te dizer o quanto gostei... beijos***
De inde a 4 de Março de 2004 às 09:11
Se é indeterminavel, então depende de cada um e se depende da cada um, é determinável. :) *
De aranha a 3 de Março de 2004 às 21:57
O que eu queria dizer é um "TER" esperança sentido pq provém dos sentimentos, e é indeterminável porque depende cada um!
De inde a 3 de Março de 2004 às 21:35
Claro que sim, claro que a esperança se determina. Sentir esperança? Não, a esperança não se "sente", no mínimo "temos" por existir, por haver ou não esperança; logo se é algo que se pode "ter" é passivel de determinar ter ou não ter.
De aranha a 3 de Março de 2004 às 21:08
A esperança não se determina, sente-se, muito pouco ou nada! lol!
De inde a 3 de Março de 2004 às 21:00
Como não consigo determinar a esperança, vou continuar com a minha indeterminação, desesperando na espera que penso apenas terminará quando nada de mim mais houver.
De aranha a 3 de Março de 2004 às 20:37
Olá! Um beijo cheio de esperança, unicamente e somente esperança!
De inde a 3 de Março de 2004 às 15:53
Olá minha querida amiga Lá na Lua! Obrigado pela tua visita e pelas palavras. Beijo sentido.
De Lana Lua a 3 de Março de 2004 às 14:42
Lindo... senti a tua dor... a tua mágoa... lindo, mas doloroso... como o amor? como a juventude? Não sei, mantém a esperança e aconchega-a junto de amigos... lá vou fazendo o mesmo! Beijos grandes, meu querido Indeterminado.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.últimas indeterminações

. eu

. floresta

. Saudade

. Aniversário

. Amar como o vento

. Gostoso

. Solidão

. Gostos

. Não sou aquário de signo,...

. pormenor

.torres do tombo

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds