Terça-feira, 27 de Abril de 2004

Agonia

Agonizo lentamente no beijo que não me deste
estremeço no desejo de o ter tido eterno
apenas sinto dor na carícia que me retiras
quando penso que não há Verão em qualquer Inverno.
Agonizo lentamente no abraço que me faz falta
estremeço no profundo anseio de o ter sentido forte
apenas diviso lágrimas na imensa loucura
quando caminho em direcção à tua morte.
Agonizo serenamente na dor que me cobre
estremeço de frio no túmulo da tua jazida
apenas limpando a dor da profunda desventura
da desdita corrida que fizeste contra a vida.
indeterminado por quim às 16:00

link do post | indetermine | ver comentários (12) | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Abril de 2004

Pulmão

Pulmoes.JPG
A tremenda parecença do céu nublado com um pulmão humano, é notável.
indeterminado por quim às 15:30

link do post | indetermine | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 18 de Abril de 2004

Determinadamente

"...é no vento que se ama; talvez ser o próprio vento e não a folha..."

(para mim a melhor definição sobre o que é amar; in www.lobices.blogs.sapo.pt)
indeterminado por quim às 11:05

link do post | indetermine | ver comentários (23) | favorito
|
Sábado, 17 de Abril de 2004

Há dias em que me calo

Há dias em que me calo
digo eu para não errar
mas não é por isso
não é o erro que me amedronta
mas o que fazer dele depois
do nascer quando se avoluma
e me pesa e me pisa
e me enterra
é o medo de mim nos dias em que não me sei defender
nesses dias prefiro boiar à superfície
à espera
de ser tromba de água
e pegar os erros no ar transportando-me com eles

mas não é só por isso que me calo
é também pelas histórias de batalhas em que fui guerreira
deixando noutros as marcas da minha sanguinolência
e em mim outras
que quero atenuar

calo-me ainda e sobretudo porque não me sinto em casa
enganei-me e entrei na porta ao lado
e quando me dei conta já me tinha dado e recebido
e tive vergonha de sair antes do tempo considerado educado
para fechar o ciclo
para abrir a porta
receando não encontrar depois uma porta certa onde estivesse ainda alguém acordado
que me reconhecesse e deixasse entrar

agora ando de novo à procura
de me sentir em casa


(from:
Ana Viana, em "Passagens Sublinhadas", Novembro de 2000)
indeterminado por quim às 11:02

link do post | indetermine | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Abril de 2004

Bastava-nos amar.

Bastava-nos amar. E não bastava
o mar. E o corpo? O corpo que se enleia?
O vento como um barco: a navegar.
Pelo mar. Por um rio ou uma veia.

Bastava-nos ficar. E não bastava
o mar a querer doer em cada ideia.
Já não bastava olhar. Urgente: amar.
E ficar. E fazermos uma teia.

Respirar. Respirar. Até que o mar
pudesse ser amor em maré cheia.
E bastava. Bastava respirar

a tua pele molhada de sereia.
Bastava, sim, encher o peito de ar.
Fazer amor contigo sobre a areia.


from:
(Joaquim Pessoa)

indeterminado por quim às 11:53

link do post | indetermine | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Abril de 2004

Onde te deixei ficar

Onde te deixei ficar um dia


numa tarde de Outono


onde a brisa fresca te envolvia


e teu olhar pedia


não sei porque te deixei


ali ficar um dia


numa tarde de Outono


onde o frio que trazia


me cortava o coração de dor


não sei onde ficou a dor de te deixar


nessa tarde de Outono


onde o vento se revolvia


nessa tarde


nesse dia...

indeterminado por quim às 15:52

link do post | indetermine | ver comentários (6) | favorito
|
Terça-feira, 6 de Abril de 2004

Pele

Estou cansado de ser quem sou. Preciso mudar. Deixar de ser um e passar a ser outro. Mas quem? E, porquê este desejo? Não sei. Não me reconheço. Estou cansado de mim. Quero renascer em ti. Mas tu, quem és? Que fazes aí? Porque olhas assim para mim? Achas que devo mudar, é? Mas, diz-me ao menos para quê? De que me serve mudar? Se mudando não mudo a minha alma? De que serve mudar se voltar a ficar cansado da mudança? Porque entendes que deve existir mudança? Não posso ficar aqui? Onde sou? Como estou? Para que vim? Para onde queres que eu vá? Diz-me. Faz-se tarde e a viagem tem de ser iniciada de novo. Já nada do ontem levarei comigo. Fica tudo ali onde fui eu, onde estive e me despi da pele que me cobre a alma agora desnuda. Levarei tão somente o que me vieres a dar. De mãos vazias te seguirei. Sim, irei. Estou cansado de mim. Preciso adormecer o meu ser. Não quero mais acordar aqui. Quero ir. Leva-me.
indeterminado por quim às 17:02

link do post | indetermine | ver comentários (36) | favorito
|
Domingo, 4 de Abril de 2004

Filhos de um deus maior

"É. O impossível é possível. Buscando o amor e a humildade. Somos deuses pequenos , pequeníssimos , dum deus maior , que nos deu a grandeza de nessa pequenez termos tudo dele. O corpo - é lugar síntese do desejo , da partilha , do prazer , do repouso - do AMOR. Dois corpos - dois templos de vidas, de milhares de vidas distintas e unas que se sobrepõem e revelam uma catedral infinita ."

(from: E. Cruz)

(parte final de um texto de reflexões publicado no fórum Bibliotec@ do Sapo)
indeterminado por quim às 11:43

link do post | indetermine | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Abril de 2004

Dualidade

(Comentário postado em www.lobices.blogs.sapo.pt gentilmente cedido por quim)


Cada ser tem dois lados – um feminino e um masculino. Quando a natureza nos determina à nascença o lado visível é para que cresçamos e em liberdade essa natureza evolua até o identificarmos. Essa identificação faz-se olhando nosso lado visível e invisível, assim como o dos outros. Se não nos interiorizarem imagens estereotipadas, preconceituadas, infernizadas por noções de culpa e não nos violentarem ou manipularem dalgum modo nosso ser íntimo, a natureza evoluirá em permanente construção e essa identificação será espontânea, livre e criativa, para partir sem medos em busca do outro e dos outros. Cedo ou tarde encontrará o outro que não quer como seu espelho, mas o lado visível do seu invisível. Se manipulações, cobranças, vaidade (seja ela qual for), forem as faces visíveis e pouco se perceba os invisíveis dos progenitores, cruzam-se as teias, atam-se nós dolorosos, confundem-se nossos dois lados e seguimos a vida à procura de desatar os nós em que nos enlearam, e em tamanhos emaranhados outros se vão enleando. Lobices - gostei deste nome , dos uivos . Também eu já me senti loba. Aqui vai uma reflexão minha que fiz a partir dum texto lindíssimo de José Eduardo Agualusa: . Dentro de mim pensei - uma gansa é um misto de cisne com loba e ela não triunfa sobre Deus , destrói-lhe a imagem , que o homem criou à sua imagem. Depois já vinha no carro de regresso repensei – não – no cisne estão todos os animais. No cisne estão dois gatos selvagens, macho e fêmea, gémeos – irmãos, que se perderam sós afastados um do outro na floresta, dela saíram e sem rumo ficaram até descerem sozinhos um rio e a ela regressam para se aninharem novamente. Estão todas as aves migratórias, e todas as migrações para chegar ao local do fim que foi a origem. No cisne está a cadela que em si viu a loba partes da gata selvagem e o cão que foi lobo partes do gato selvagem. Está a serpente da terra assim como a do mar e todos os animais por elas mordidos ou sufocados. Está o cão que mordeu a gaivota e a gata que comeu a rola, porque todos anseiam voar, e porque em todas as feridas por todos infligidas e sofridas misturaram seus sangues. A gaivota não mais era só gaivota pois também era cão, rola, gata, e a rola não mais era só rola pois também era gata, cão e gaivota, e a gaivota... e a gata... todos partes duma gansa e dum ganso, com todos os vegetais que ingeriram, o ar e a água que beberam, o fogo em que arderam. Gansa e ganso (mãe é mãe, e é filha e avó e todas são mães, e a filha é filha, e é mãe e avó e todas são filhas, e avó é avó, e é mãe e filha, e todas são avós, pai é pai, e é filho e avô, e todos são pais, filho é filho, e é pai e avô e todos são filhos, e avô é avô, e é pai e filho e todos são avôs) que misturando-se ambos no interior um do outro , darão vida ao cisne voador , que nele tem todos os seres e todos os seres o têm. E então mulher é mulher e também é homem e homem é homem e também é mulher. E todos em cada um serão mães, de todas as filhas e filhos e filhas e filhos de todas as mães, e filhas e filhos de todas as mães e de todos os pais,...., e avós de todos os netos e pais, filhos, filhas, avós e avôs..........ih...incalculável... que fervilhar na minha cabeça...combinações sem fim..... porque como diz Agualusa “ nada redime a estupidez excepto o amor” porque “ o amor é a sobre quilha da criação”....como o sentiu Walt Whitman.


(from: Eureka_cruz@sapo.pt)
indeterminado por quim às 18:31

link do post | indetermine | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Abril de 2004

April First

AprilFirst.JPG

Hoje tivemos um dia de céu limpo, vento fraco e temperatura de 22 graus.
indeterminado por quim às 20:55

link do post | indetermine | ver comentários (8) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.últimas indeterminações

. eu

. floresta

. Saudade

. Aniversário

. Amar como o vento

. Gostoso

. Solidão

. Gostos

. Não sou aquário de signo,...

. pormenor

.torres do tombo

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds