Quarta-feira, 31 de Março de 2004

Não te quero escrever

...eu tinha qualquer coisa para te dizer, algo que já anda no meu pensamento há milhares de anos e nunca tive essa oportunidade; há dias, quando surgiste na minha vida, um pouco espantada pela vida, um pouco alheada do próprio mundo, quando ali surgiste espelhada na minha alma, eu estive quase quase para te dizer... ...penso que me faltou a coragem e a voz se me embargou; calei dentro de mim o que deveria ter gritado; talvez tenha esquecido a forma de gritar, talvez só saiba calar... não sei... já não sei... ...mas eu tinha qualquer coisa para te dizer, algo que me possui e me rasga a mente, num acto demente do meu próprio ser de aqui estar sem saber falar, sem saber o que te dizer, sem saber gritar o que tanto tenho calado... milhares de anos de silêncio dentro de mim; milhares de anos de solidão da minha própria voz; milhares de anos de espera que surjas ali à esquina, em qualquer lugar, e num momento de paz eu te possa gritar todo o meu amor... ...áhh dor que dói e me corrói a alma de tanto calar esta tão louca forma de te amar... dor de aqui estar e não saber o que te dizer, de não saber traduzir esta minha forma de tão somente te sorrir... ...e sorrio-te a todo o instante, aqui, ali, em qualquer lugar ainda que distante... não me preocupa se me ouves, se escondes as palavras que tão docemente me são devolvidas porque não enviadas; doces palavras de paz, ternura, carinho, amor... em doses de candura mas eivadas de toda a minha dor... ...estão aqui mas sei que tinha qualquer coisa para te dizer; como posso gritar se a voz se me tolda em silêncios ocos e sem eco ou se com eco ecoam apenas dentro do meu vazio, um vazio que não preencho ou se preencho apenas o preencho com a minha própria alma já de si tão gasta por durante todos estes milhares anos não me teres dito: Basta!... (from: Lobices Nov2003)
indeterminado por quim às 08:48

link do post | indetermine | favorito
|
8 comentários:
De inde a 31 de Março de 2004 às 14:00
Cruz: não sei se o teu e-mail está correcto ou não. Mas o Lobices entrou em contacto contigo. Recebeste o mail dele sobre a postagem do teu comentário no blog dele? Esta tua última "prestação" será também postada breve.
De Cruc a 31 de Março de 2004 às 11:32
ficou no ar uma ideia de desespero em mim. E eu sou um ser confiante . Confio plenamente na vida .A vida estoirou todos os espelhos em mim para me fascinar com o que é universal. Grata plenamente à vida porque sinto pensando e penso sentindo num corpo sem cisões que é síntese. Fervilha vida em tudo e eu sinto-a em cada póro e cada entranha. Não é fácil , é a dor da invisibilidade mas é belo porque é como a liberdade do ar.
------------------------------

Gratidão

A todas as vidas que o desamor não deixou existir ou crescer .
A todas as que até ao fim do desamor ainda sofrerão.
A todas as dores que a sobrevivência não deixou sarar.
A todas as feridas que a sobrevivência ainda causará.
A todas as dores e feridas que a sobrevivência libertará.
Aos amores que a vaidade em mim não deixou florir.
Às mágoas das vaidades minhas e não minhas.
A todos os homens e mulheres , os com nome que não conseguiram buscar humildade e os que se despojaram do nome e os sem nome que buscaram a vaidade do nome e os que souberam brilhar sem ele.
À visibilidade e à invisibilidade.
A todos os silêncios que não falaram e palavras que se disseram , a todos os silêncios que se falaram e palavras que se calaram e a todos os silêncios e palavras que falaram.
A todos os que nunca saíram dos subterrâneos , os que vaguearam ao sabor do vento , os que atravessaram o deserto, os que escalaram montanhas e a todos quantos ousaram voar.
Aos corpos que não se abandonaram e aos que se abandonaram.
Aos que romperam e aos que uniram , aos que se rompendo uniram , aos que se unindo romperam e aos que se unindo uniram.
À loucura , todas as loucuras e à ausência da loucura, de todas as loucuras.
Aos que se julgam os eleitos e aos que sabem serem todos eleitos .
Às dores que se hierarquizaram e às que se igualizaram.
Aos que excluem, aos que excluem mais que incluem aos que incluem mais que excluem e aos que só incluem.
A todas as dores e a todos os fascínios da humanidade.
À opacidade e à transparência e às suas infindas misturas.
A todos os animais , vegetais , minerais, a todos os elementos.
A todas as ondas de partículas e partículas que ondulam .
A todos os astros visíveis e não visíveis do Universo .
À sombra e à luz e às suas infindas nuances.
À monstruosidade e à beleza.
Às circunstâncias e à ausência de circunstâncias.
Ao acaso, à necessidade e a todas as sincronicidades.
Ao destino , ao livre arbítrio e ao destino que é livre arbítrio e ao livre arbítrio que é destino.
Às funções , disfunções e à ausência de funções .
Às instituições e à ausência de instituições .
Às hierarquias e à ausência de hierarquias.
À ontogénese e à filogénese e à vida de todos em cada um e de cada um em todos.
Ao homem que só se pensa macho e à mulher que só se pensa fémea. Ao homem que se pensa fémea e à mulher que se pensa macho. Ao homem que não sabe se é macho se é fémea e à mulher que não sabe se é fémea se é macho. Ao homem que é macho e fémea e à mulher que é fémea e macho.
À complexidade e à simplicidade.
Ao mar de Amor que me inundou.
Ao Amor que soube dar.
Ao Amor que todos deram e cada qual soube dar .
Ao Amor que amo.
A tudo o que são todos e o que é cada um.
À morte e à vida.
Ao mistério desvendado e não desvendado da Vida.
Ao infinitamente pequeno e ao infinitamente grande , ao infinitamente pequeno infinitamente grande e ao infinitamente grande infinitamente pequeno.
Ao tempo temporal e ao intemporal.
A tudo obrigada por minha vida porque tudo é Vida.
À Mãe e ao Pai da Vida
À criação.
À frátria.
Ao Amor que recupera todas as vidas.

À eternidade do Amor.

Aos sonhos que estão para lá e para cá dos arco-íris.

Ao futuro

Para anti-cristo ser cristo
e soltar-se a coroa
de espinhos

Para profano ser sagrado
e revelar-se a catedral natural.


Para anti-matéria ser matéria
e derramarem-se os fluidos

Para Terra mãe-pai se unir
ao Céu pai-mãe

Para a sombra pertencer à luz

Para direito ser esquerdo
e esquerdo ser direito

Para o caos estoirar
e mostrar a harmonia início fim

Para a cobra comer a cauda
e do ponto que ficar tornar-se linear

Para o elogio da Vida
extinguir a loucura
e soltarem-se os sonhos

Para a vida
ser a morte
da morte interior

Para um sobreviver ser
a sobrevivência de todos
e a de todos de um

Para os corpos partirem os espelhos
e homem e mulher se abandonarem

Para o brilho das crianças
se expandir livremente

Para chegar o tempo
dos tempos confluirem
no que é intemporal

De inde a 31 de Março de 2004 às 11:23
Cruz: o Lobices pediu-me para publicar o teu comentário no blog dele; como às vezes fazemos trocas de textos nossos, não vi problema e vou-lho enviar. Assim, terás este teu belíssimo comentário postado no blog dele. Espero que não te aborreças por isso. E, obrigado pela tua óptima participação. *
De inde a 31 de Março de 2004 às 10:48
Cruz: não sei dizer o que quer que seja. Me fecho em mim. Ouço apenas. Sorrio enquanto posso.
De encandescente a 31 de Março de 2004 às 10:18
cruz, li atentamente o que escrevo e ir até ao fundo atá á raiz do ódio pode em ultima instência aniquilar-nos. amar/odiar a vida é feita disto, e de uma zona cinzenta em que nos movimentamos. Para se viver é preciso aprender a viver com isso e a aceitar, amor/odio. Narcisismo? odios narcisistas? concordo plenamente ctg!!Mas a dor de cada um é sempre maior que a dos outros porque é nossa!!
De cruz a 31 de Março de 2004 às 10:11
No fundo é a história da história da humanidade-
Olhar o ódio dos outros é mais fácil que ir ao fundo do porquê do ódio– o poder- nascido naturalmente da luta solitária pela sobrevivência – de que não há culpas , fruto da própria evolução da e na natureza mas que ao se sobreviver e não consciencializar que a sobrevivência de um não tem sentido sem a dos outros , se vai esvaziando de coerência e afecto , e só reproduz exclui e destrói, ao contrário da vida que é inclusiva , construtiva e criativa e isto é dádiva e amor. E as consciencializações são infindas como o é a diversidade da vida. Mas continuar-se a não querer ir ao fundo do porquê do ódio , é alimentar o ódio próprio dos ódios dos outros. Até se ir ao fundo da solidão de cada qual consigo e do desespero. Porque por se ter sobrevivido sozinho às dores, na visão do betão que em camadas distintas em cada ainda cobre –a resiliência, espanto meu , se acham eleitos, por isso escolhem a vaidade, por também julgarem que as suas dores são maiores que as dos outros, como se fossem possível quantificar dores, então foram os maiores e assim reclamam a atenção e servidão dos outros e assim excluem e não se olham também nas dores dos outros, nem nas que dão. Está à vista o caos da arrogância dos narcisistas da eleição na dita terra sagrada,...de ninguém . Não há santos nem, demónios, nem eleitos, nem escravos. E nem vêem que fazem igual ao que lhes fizeram!! Até que o amor se derrame. O poder , todos os poderes , hoje põem em causa a expansão da vida. Esta sobrevive sempre . A luta pela sobrevivência da vida assim o exige , nem que seja pela exterminação desta espécie predadora.
Tenho de calar-me . A leitura do texto de hoje fez soltar-me um grito . Tenho de calar-me porque o meu grito é sem fim
De Cruz a 31 de Março de 2004 às 09:48
Reflexões sobre tudo o que desse texto coube em mim . O silêncio e as invisibilidades de milhares de anos. Yung dizia que a razão e a doutrinação eram as doenças da civilização. Como senti isto tudo...Escrevi há tempos : Quando fui beber café a noite estava calma e eu andei um pouco a apanhar a brisa de norte na cara. Aliviou-me sentir que a ventania de leste já tinha apaziguado, mas enquanto caminhava o meu pensamento que nunca me larga dizia-me : Preciso de ajuda . Não como , não tenho fome. Fumo , fumo e bebo café. Ando de facto a apelar à morte e sinto que já não consigo contrariar este apelo. Tenho uma imensidão dentro de mim que queria gritar ao mundo . Hoje um homem na Holanda protestava contra a exclusão com as pálpebras e a boca cozidas. Olhei aquele homem e vi minha dor. O silêncio e o que não se olha. E não posso gritar meu grito , que tanto já gritei e que não o posso dar pois se tanto tem de beleza também tem uma mágoa de milhares de anos que a ninguém quero dar. Mas esta mágoa não é só minha – é de todos. Milhares de anos tem a dor silenciada que quis atenuar nos outros , e que a olhei num outro. Quem me pode ajudar ?
Quem é o médico que pode entender esta dor ? Isto não vem nos livros . É outro saber .
Mas a minha tristeza é ainda mais profunda. Esta é minha e de quantos milhões de seres no passado e no futuro e que no presente desabou em mim. O lado não visível da vida . E pensei – nesta civilização que se julga poder na Terra há dois mil anos mataram, crucificaram um homem porquê? Porque sendo homem mostrava o outro lado do homem –olhar os outros , dar-se , ser sensível- a inocência da infância . O poder no homem, na luta pela sua sobrevivência , não suportou ver o seu outro lado , porque o invejou , odiou e matou. Cindiram nele os dois lados do homem e da mulher num e negaram esta . Depois de o matar inconscientemente montaram uma instituição para lhe criar uma imagem que servisse esse poder e enviar para as profundezas a memória da clivagem . A partir do espelho do poder criou-se a imagem de que aquele lado não existe nos homens na Terra e se existe na mulher é sinal de fraqueza e obra do diabo e é para subjugar. As religiões , todas que se impuseram no mundo, fizeram o mesmo com mais ou menos variações – cindiram os dois lados da vida e sempre excluíram a mulher . Fruto dos primórdios, ou do início do caminho que tem percorrer-se até ao saber do que é antes dos primórdios, a luta pela sobrevivência e pela evolução da espécie num meio desconhecido , a força muscular do sexo masculino foi determinante na luta contra os outros animais e elementos da natureza. Luta de um contra todos pelos elementos da natureza à medida que a espécie se mutava e dizimava nessa luta as mutações anteriores, que fez evoluir naturalmente as sensações de poder nos vencedores e de domínio sobre as forças da natureza. Mas a busca do porquê , do que somos , de tudo , atravessou sempre todos os tempos, mesmo quando não parece notória. Em todas as civilizações a força da rocha travou sempre lutas com a emergência da lava. Na luta do homem pelo domínio da Natureza como permitir que um homem com o
outro lado não visto do homem dominador , destruísse essa sensação de domínio? Ainda mais quando esse lado não visto era mais visível nas mulheres ?
Colaram um sexo a Deus -homem para corresponder à imagem do seu poder e apagaram a mulher da História –O homem dominava, a mulher servia. A razão a força mandava , o sentir subjugava-se. As religiões acentuaram mais ainda os dois lados da vida que se ousavam mostrar. Mas o lado mulher faz parte do homem como o lado homem faz parte da mulher –é a inocência da infância inicial –a singularidade e é a busca de todos nós. Mas quem ambos os lados sentiu em si, homem ou mulher, em todas as civilizações , ao longo do tempo , foi dos mais variados modos rotulado, massacrado , crucificado , excluído. Os poderes visíveis e invisíveis excluem tudo o que lhes é estranho. Mas a vida rompe sempre e nessa expansão , questionado que é o poder das religiões estas buscaram sempre para a sua sobrevivência um outro aliado –o mesmo poder da ciência . O primado da objectividade para controlar e negar o incontrolável. . Como está na moda a bipolarização como doença como se não fosse corolário natural desta evolução,de tudo o que se opôs, porque não se ousa a fusão dos pólos pelo medo da cruz por uma bipolarização fundamental ao poder- céu e inferno, polarizaram-se a razão e o sentir, a vida e morte, a mente e o corpo, natural e sobrenatural, um e todos . E em conjunto cindiram o amor do desejo do prazer do corpo do homem da mulher . Acentuaram a cisão para afirmação do poder do homem sobre as forças naturais até aos extremos de monstruosidade revelados no séc. xx e a explosão de todo o tipo de rupturas e violentações uns dos outros cada vez maiores em cada ser. O ódio e o desamor destes tempos...e continuam . E os homens e as mulheres ? fugiram de olhar para o seu outro lado dentro de si com medo da cruz, com medo de encontrarem para lá da morte os vazios de que se encheram em vida. Quanto mais fugiam mais sofriam e mais violentavam e mais se esvaziavam e mais oprimiam os que enchiam seus íntimos de vida . E o mundo de hoje mostra que é a infância que mais violentamos . Que sofrimentos ... Eros Tanatos, ser e o não –ser, a vida e a morte... Ah meu amor cindiram tudo isto e o sofrimento não é Tanatos, não é o não-ser não é a morte , mas o poder que os rompe, que os cinde. A cobra que é também obra da natureza . Esse poder foi fruto das leis da natureza , a sobrevivência e a expansão. A luta entre a sobrevivência das certezas do passado com a inevitabilidade e incertezas do futuro . O poder – a veleidade de se controlar tudo o que é estranho à imagem. Os muros, os espelhos. O mundo está exausto do poder . Ele é a fonte da exclusão e é esta que fomenta o ódio. E poder não é liderar. Liderar é incluir todos , compreender e confrontar dar espaço tempo e liberdade à diversidade olhando o futuro. É libertar a criatividade. O poder é exactamente o oposto – é sufocar , reproduzir , impor e julgar, olhando o passado e excluir.
As mulheres cansadas que vi no meu rosto quem eram? Eram todas as que se deram em busca do outro lado dos homens fechado no silêncio, nunca olhadas, nunca visíveis ?
É este cansaço que eu sinto ...
E os homens , onde andam os homens que buscaram o mesmo ?

. O mundo dos adultos , a minha geração em especial assim tem moldado o mundo dos jovens pelo vazio de amor. Fica lá muito no fundo do vazio e dos males que nos fizeram , a inocência , a busca. Pior assim se torna encararmos e reflectirmos sem julgamentos os erros e os males que também fizemos . Por isso os caminhos da busca da paz são depois tão árduos e difíceis. È como a exclusão – tudo está montado para cada qual se considerar eleito. Até nas crenças religiosas que toldam a fé há sempre um mau da fita final que destrói todos os outros menos os seus , e dentro destes os mais “puros” segundo a sua imagem, os cristianismos têm anti-cristo, os muçulmanos , segundo as “mil e uma noites “ o Degial, os judeus , Deus ainda há-de vir só para eles, os sagrados, as outras não sei , e nesta altura não quero saber , apesar das religiões orientais serem mais saudáveis e naturais. Mas pelos vistos , que muito pouco deles sei, a Buda também só têm acesso os homens . E assim se molda a fé natural no ser humano, a busca da espiritualidade no seu corpo, pertença de algo grandioso e belo,a Natura, em poeiras de medo e escuridão e de exclusão .
De encandescente a 31 de Março de 2004 às 08:53
Um texto muito bom

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.últimas indeterminações

. eu

. floresta

. Saudade

. Aniversário

. Amar como o vento

. Gostoso

. Solidão

. Gostos

. Não sou aquário de signo,...

. pormenor

.torres do tombo

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds